Fechar
Metadados

%0 Conference Proceedings
%4 sid.inpe.br/mtc-m16@80/2006/07.19.22.15
%2 sid.inpe.br/mtc-m16@80/2006/07.19.22.15.44
%F self-archiving-INPE-MCTIC-GOV-BR
%A Riffel, Rogemar A.,
%A Staudt, Ederson,
%A Buchner, Silvio,
%A Trivedi, Nalin B.,
%A Schucn, Nelson Jorge,
%@affiliation Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
%@affiliation Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
%@affiliation Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
%@affiliation Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%@affiliation Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%T Variações Impulsivas no Campo Geomagnético observando no Observatório Espacial do Sul
%B Seminário de Iniciação Científica do INPE, 7 (SICINPE).
%D 2001
%S Anais
%8 07-08 agosto 2001
%X A Terra possui um campo de forças, chamado Campo Geomagnético circundando o Planeta. Esse campo de forças pode ser dividido em um campo principal, que corresponde à cerca de 99% do seu total e é gerado supostamente através de correntes elétricas que fluem na parte líquida do Núcleo Terrestre, e vários outros, produzidos por correntes elétricas presentes nas regiões ionizadas vizinhas ao Planeta. O Campo Geomagnético não é estável, apresentando variações temporais e espaciais com amplitudes inferiores à do campo magnético gerado no núcleo, em várias ordens de grandeza. As micropulsações geomagnéticas são um tipo de variações do Campo Geomagnético. Em 1958, Associação Internacional de Geomagnetismo e Aeronomia ( IAGA), propôs uma classificação baseada nas características morfológicas das micropulsações. Esta classificação divide as micropulsações em duas classes distintas: pulsações regulares ou contínuas e pulsações irregulares designadas por Pc e Pi respectivamente. As Pc são pulsações cujas as amplitudes são estáveis ou flutuam regularmente, enquanto que as Pi não mantém qualquer regularidade. Dentro de cada grupo, as micropulsações são classificadas de acordo com o período ou freqüência. O Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais - CRSPE/INPE - MCT, juntamente com a Universidade Federal de Santa Maria - UFSM e a Universidade de Kyushu - Fukuoka - Japão, desenvolveu um programa de colaboração científica conduzindo medidas contínuas da variação nas componentes H, D e Z do Campo Geomagnético na grande região de Santa Maria [29.72 S, 53.72 O], mais exatamente no Observatório Espacial do Sul - OES/CRSPE/INPE - MCT, em São Martinho da Serra - RS [29.44 S, 53.82 O]. Os dados observados são obtidos utilizando-se magnetômetros do tipo: fluxgate, precessão de prótons e de indução.
%P 31
%O Bolsa PIBIC/INPE/CNPq
%@language pt
%3 Riffel_variacoes.pdf


Fechar